Falaaaaaaaaaaaaaaa GP, tudo bem?

Andei sumida novamente, mas tive um motivo nobre rs… estava com alguns probleminhas de saúde o que me impediram de manter minha rotina no blog e também no meu projeto Rio 2017.

Mas, eu estou voltando…

Infelizmente muitas vezes nós temos que replanejar um projeto, e confesso que me sinto uma derrotada quando isso acontece comigo, mas às vezes acontece 🙁

E como saber se é hora de replanejar ou se apenas de reagendar as atividades? Primeiro ponto, você sabe a diferença entre esses dois conceitos?

Bom, se você sabe pode pular os próximos dois parágrafos, se não sabe vamos lá:

  • Reagendamento: durante o controle do seu projeto, você não deve deixar tarefas não concluídas e vencidas em seu cronograma. Além de ser muito “feio” rs, você nunca terá uma visão clara de quando o seu projeto finalizará, concorda?

Então, o reagendamento consiste em você atualizar a data de início/término da sua atividade, mas sem sobrepor a linha de base.

Sempre optamos pelo reagendamento quando temos um ou algumas atividades que estão em atraso, mas que não comprometem o prazo do projeto e/ou da entrega que ela está associada.

No reagendamento “carregamos” uma bolinha vermelha até a conclusão da tarefa, porém é um atraso que está sob controle.

 

  • Replanejamento: obrigatoriamente temos que salvar uma nova linha de base do projeto. Para replanejar você precisa estar alinhado com o seu patrocinador e muitas vezes você pode até ter que negociar a data de entrega do teu projeto, pois já não conseguirá cumprir com o teu plano original.

O replanejamento é uma espécie de “volte para o início” do seu projeto, é uma espécie de “errei, sei que errei, mas daqui para frente tudo vai ser diferente”.

Dá uma olhadinha como fica uma Curva S de um projeto replanejado:

01 - curva s - ms project

Repare na distância da linha cinza (planejado) e da verde (realizado) até o meio do mês de março, era impossível eu conseguir alcançar os resultados com um desvio tão grande. Veja que em meados de março a linha cinza sofre uma queda, e essa queda representa o meu “volte para o início”, representa o meu replanejamento.

O mais preocupante é que mesmo replanejando eu continuo mantendo um desempenho ruim e me distanciando novamente da linha cinza. Que minha Nossa Senhora do Bom Projeto me ajude, pois essa curva é de um projeto da vida real 🙁

 

Enfim, quando me deparo com desvios tão grandes assim não tem jeito, é hora de negociar com o Patrocinador, estudar bastante as alternativas e levar um novo plano para sua aprovação.

Mas, como devo proceder para replanejar o meu projeto? Vou montar um passo-a-passo do replanejamento do meu projeto Rio 2017, pois infelizmente eu tive que replanejá-lo.

Vamos aos passos:

  1. Saia da Negação, esse é o passo mais difícil! Deixar o otimismo de lado e encarar que seu plano não deu certo, que não foi dessa vez que você conseguiu dominar o mundo;
  2. Use as técnicas que usou para criar o cronograma:
    1. Reveja as atividades;
    2. Reveja duração;
    3. Reveja predecessoras;
    4. Reveja os recursos alocados;
    5. Tente efetuar uma compressão ou até mesmo simplificação do escopo, caso seja possível.

      No meu Projeto Rio 2017 eu tive que adicionar mais uma entrega, pois fiquei um mês parada e tive que fazer um novo processo de adaptação.

      Se eu simplesmente reagendar as outras atividades, a minha meia maratona que está agendada para o dia 20/08 ocorreria apenas em 03/11

      E qual será a mágica que usarei para me manter no plano? Eu tinha uma folga em meu cronograma que eu chamei de “Pré-maratona”, esse seria um período onde eu me dedicaria única e exclusivamente para diminuir meu tempo e melhorar meus resultados.

      Mas, agora que a “vovozinha subiu no telhado” eu vou usar esse tempo para conseguir garantir pelo menos o resultado do principal do projeto.

      Você já viveu algo parecido com isso?

      A minha folga era de 11 semanas, agora passará para duas semanas.

      Em um projeto da vida real o que isso significa? Certamente eu estaria impactando na qualidade da minha entrega, certamente eu teria que iniciar a temida “hora da pizza” e exigindo um pouco mais da minha equipe.

  3. Depois de reorganizar todo o seu cronograma, faça uma revisão do novo plano, olhe para suas lições aprendidas e veja se não existe risco de você não conseguir cumprir o plano novamente.
  4. Salve uma nova linha de base;

  5. Faça uma nova medição da sua Curva S para acompanhar o desempenho;

Veja como ficou minha curva S, em março comecei a me separar da curva do planejado, tive uma queda pequena, bem menos acentuada do que a outra curva do início do artigo, e recomeço a subida rumo ao 100% de forma bem “íngreme”.

Só não posso praticar o autoengano, porque para manter o plano original eu que eliminar minhas folgas, aumentar o risco e principalmente gerei impacto na qualidade da entrega final.

Eu poderia até replanejar a data de entrega do meu projeto, mas ai eu não estaria atendendo a um dos objetivos principais que era a questão da data e do local da corrida, mas se no próximo mês eu não conseguir seguir o plano, infelizmente terei que partir por esse caminho.

Replanejar nunca é algo bacana, mas muitas vezes é necessário e a vontade de não errar novamente acaba turbinando a sua energia para alcançar os resultados.

Você já passou por algo parecido em seus projetos?

Vamoooooooooooo que agosto está chegando!

Um forte abraço.

#projetoTransforma #pmo2.0

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *