Gerenciamento de projetos – Kit mínimo 3/3

Fala GP, tudo bem?

Na última publicação falamos um pouco sobre gerenciamento de tempo, nesse último post da série passaremos bem superficialmente pela parte de custos. Espero que gostem.

Com o WBS montado, com a duração das atividades definidas e com os recursos identificados, fica muito simples estimar o custo do projeto. Essa estimativa é conhecida como Definitiva ou Botton-up e tem uma assertividade de -5% a +10%.

OK! Finalizamos todo o planejamento do projeto. Mas, e agora, como controlá-lo? Para efetuar um controle efetivo de um projeto, é necessário estar atento às mudanças que normalmente ocorrem durante a sua execução. Uma mudança pode significar uma oportunidade, como pode, também, significar o fracasso de um projeto. Mudar, normalmente, é necessário; porém, avaliar o impacto dessas mudanças é uma questão de sobrevivência.

O ideal é a criação de um processo formal de solicitação e aprovação de mudanças, com uma clara hierarquia de aprovação. O desempenho do projeto deve ser acompanhado e, para isso, é necessário analisar escopo, tempo e custo de maneira integrada.

A EVA – Earned Value Analysis, consegue integrar o tripé escopo, tempo e custo, provendo uma visão única do desempenho do projeto. Provavelmente você deve estar imaginando: Mas o que há de novo em tudo isso? O que esse tal de PMBOK promove de tão diferente e inovador? Esse é o ponto crucial! Todo gerente, inconscientemente, utiliza estes processos para planejar e controlar os projetos sob sua responsabilidade. O que falta, normalmente, é que haja uma formalização desse conhecimento para nortear as ações presentes e auxiliar nas ações futuras. Lembremo-nos do sábio pensamento de Watts Humphrey: “se você não sabe onde está um mapa não irá ajudá-lo”.

Portanto, documente cada passo do projeto, cada decisão, risco incorrido, desvios, e tudo o mais que puder, e lembre-se de colocar o “por quê?” em cada uma dessas “anotações”.

Alimente continuamente a sua base de “lições aprendidas”, que serão de grande valia na sua próxima empreitada! Aprender com os erros e insucessos é sinal de sabedoria.

Espero que tenham gostado dessa série e que ela tenha sido útil, por favor, envie-nos comentários ou e-mails para continuarmos fazendo esse trabalho.

Forte abraço,

 

Jacque Torres

Uma resposta.

  1. Mary junho 22, 2011 Reply

Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *