Eu não vou me adaptar, me adaptar!

E ai GP, tudo bem com você?

As últimas duas semanas foram muito intensas, muitas dúvidas, muita interação em minhas redes sociais e acabei adiando muito um artigo que já estava na minha cabeça já faz um tempão.

Hoje vou confabular sobre um tema que pode ser um pouco polêmico, mas que gostaria de incentivar uma reflexão no dia-a-dia de seus projetos…

Inúmeros profissionais da minha rede de contato, de meus clientes ou amigos muitas vezes me questionam sobre a real necessidade de utilização do MS-Project, muitos deles alegam que a ferramenta não funciona adequadamente e que dificulta mais do que ajuda.

Será mesmo? Será que o Project realmente dificulta a vida do GP ou será que o GP não quer se adaptar a uma realidade diferente? Ou muito pior, será que o GP não quer enxergar e aceitar o que o Project está lhe mostrando?

Sempre que sou questionada sobre o MS-Project a minha primeira resposta é: Você está preparado para muitas vezes “enxergar” o que você não gostaria de enxergar? É isso mesmo, o MS-Project fala aquilo que a gente não quer escutar, mostra o que a gente não quer ou não está preparado para ver.

Quem nunca elaborou um cronograma no MS-Project e ele chegou a uma data que parecia totalmente inviável e absurda? Será que a culpa é da ferramenta ou do nosso excesso de otimismo?

Vamos alinhar alguns pontos bem importantes:

  • Project não é Excel;
  • Project é matemático;
  • Project trabalha com calendário, dias úteis e desconsidera feriados e finais de semana da sua “conta”;
  • A ordem dos fatores altera o produto, portanto invista tempo em elaborar uma rede consistente e otimizada do contrário você terá uma data de término do projeto totalmente inviável;
  • Você precisa conhecer o conceito de elaboração e controle de cronogramas para que possa usar adequadamente a ferramenta, segue um artigo nosso que pode lhe ajudar;

Diante dessas questões eu te desafio a refletir: será que realmente é o MS-Project que dificulta a vida dos GP’s ou será que está faltando base conceitual nos nossos gestores de projetos?

A minha opinião é bem clara, eu acho que falta base conceitual para que o GP possa interpretar e utilizar corretamente a ferramenta, e sem a base conceitual não adianta apostila, vídeo no Youtube, tutoriais ou afins… o resultado sempre será o mesmo e as vezes até desastroso.

É preciso antes de usar a ferramenta conseguir montar um cronograma na mão, saber o que é um caminho crítico e saber o que fazer com ele, se esse caminho não for trilhado dificilmente o GP saberá como agir para otimizar o seu cronograma ou agir em caso de problema.

Em 100% dos treinamentos que eu ministro, até mesmo GP’s experientes tem dificuldade em discutir conceitos e principalmente em efetuar o link entre a teoria e a prática. Essa adaptação é difícil e requer um empurrãozinho inicial e pode ser dolorida como qualquer mudança ou quebra de paradigma.

Uma coisa é certa, a ferramenta é “porreta” e se bem utilizada ajudará e muito o dia-a-dia do GP, e para ser bem utilizada é preciso conhecer profundamente os conceitos “embarcados” na solução e não a utilizar como um Excel.

Desde que eu conheci e meu adaptei ao MS-Project eu não consigo mais pensar em gerenciar projetos sem ferramenta, acho que desaprendi, não, não, na verdade eu detesto sofrer e gosto de ter informação fácil…

Faz sentido para você? Você acha que a ferramenta mais ajuda ou mais atrapalha? Você tem dificuldade em utilizar o MS-Project?

Mande seus comentários e suas dúvidas…

Na semana que vem responderei duas dúvidas no Blog, pois elas certamente podem contribuir com todos vocês:

  1. Apoio na criação de uma EAP;
  2. Liberação de alguns templates para facilitar o gerenciamento de projetos;

Espero vocês! Um ótimo feriado, reflita e mande seus comentários.

Um forte abraço.

#projetoTransforma #assuntosPolemicos

6 Comentários

  1. Milton Esteves junho 3, 2015 Reply
    • Jacqueline Torres junho 9, 2015 Reply
  2. wagner palma junho 11, 2015 Reply
    • Jacqueline Torres junho 15, 2015 Reply
  3. Sérgio Salles G. Neto junho 23, 2015 Reply
    • Jacqueline Torres junho 29, 2015 Reply

Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *