Entendendo o caminho crítico com o MS Project

Afinal de contas o que é o caminho crítico? Por que o gerente tem que se preocupar tanto com as atividades que compõem o caminho crítico?

Contextualizando… Caminho crítico é a sequência de execução de atividades que não possui nenhuma folga, sendo que se qualquer atividade desse caminho atrasar consequentemente o término do projeto está comprometido; e um dia de atraso em uma atividade do caminho crítico pode impactar em um ou mais dias no término do projeto, visto que podemos nos deparar com feriados, com restrição de agenda de recursos e outros riscos.

Sem contar que o caminho crítico pode mudar ao longo do projeto e pior dependendo da complexidade do projeto ele pode ter mais de um caminho crítico.

Conseguiram entender a quão crítica é essa análise? Em suma, um gestor que não tem a visão e o controle do seu caminho crítico certamente terá um projeto com um índice de aventura muito alto.

Mais uma vez o MS-Project é um ótimo aliado, não consigo imaginas como os gerentes sobreviviam sem ter uma ferramenta como essa para planejar e controlar seus projetos.

Agora chega de lero lero e vamos ao que interessa…

Caminho critico é um processo que determina quando o trabalho poderá ser feito, tomando como base o diagrama de rede (sequenciamento das atividades) e as estimativas de duração das atividades, incluindo ai a identificação dos atrasos e das restrições de data do projeto. O produto desse processo é a obtenção das datas teóricas de início e término – tanto mais cedo (a partir de quando) quanto mais tarde (até quando) – das atividades. Para obter as informações de início e término mais cedo e mais tarde é necessário realizar duas análises:

    • Análise para frente (forward pass) – feito no caminho de ida, ela resultará no início e término mais cedo de cada atividade. Esse seria o caminho mais “otimista”, que considera quanto mais cedo a atividade pode ser iniciada e quanto mais cedo ela será finalizada.
    •  Análise para trás (backward pass) – feito no caminho de volta, que resultará nas datas de início e término mais tarde. Esse seria o caminho mais “pessimista”, que considera o quanto mais tarde a atividade pode ser iniciada e finalizada.

Com essas datas são calculadas as folgas livres de cada atividade, ou seja, o quanto ela pode atrasar sem que atrase o início mais da sua sucessora.

Baseando-se em todas essas informações o caminho critico é calculado, basicamente, com as tarefas que tem a menor folga livre. Que também pode ser considerado o caminho que terá a maior duração para o projeto.
Confuso? Um pouco trabalhoso eu diria, imagina fazer esse calculo para um cronograma com 3500 atividades?

Tendo em mente o conceito do caminho critico, vamos para o MS Project.

No Project o caminho critico, por padrão, é considerado o caminho que as folgas livres são igual a 0, caso você deseje alterar essa informação, basta ir no Menu -> Opções -> Guia Avançado e informar a margem de atraso para a tarefa.

Existe também uma opção de calcular vários caminhos críticos, isso significa que toda tarefa que não houver uma sucessora ou uma restrição será colocada no caminho critico.

Essas alterações nos propiciam uma análise muito mais apurada, também conhecida como análise de sensibilidade. Costumo utilizar 2 dias como padrão para análise de atividades críticas.

Exibindo o caminho critico

As tarefas que estão no caminho critico de um projeto estão sinalizadas de vermelho no gráfico de Gantt

Para analisarmos melhor o caminho critico, vamos mudar o modo de exibição. Vá na aba Exibição -> Mais modo de exibição e selecione a opção Gantt Detalhado.

Esse modo de exibição retornará as informações de folga livre, folga total e também adicionará ao gráfico de Gantt a folga livre das atividades.

Agora que já sabemos como visualizar e como analisar as atividades do caminho crítico podemos planejar muito melhor nossos projetos. 😀

E vamos combinar, o que seria de nós sem o MS-Project.

Abraços,

8 Comentários

  1. Alexandre novembro 24, 2011 Reply
    • Renato Torres novembro 28, 2011 Reply
  2. Diogo novembro 22, 2014 Reply
    • Jacqueline fevereiro 5, 2015 Reply
  3. Rosalvo Ribeiro maio 1, 2015 Reply
  4. Sergio Augusto julho 27, 2015 Reply
    • Jacqueline Torres agosto 21, 2015 Reply

Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *