Como evitar o efeito Peter Pan em seus Projetos

Falaaaaaaaaaaaaaaa GP, tudo bem?

Sempre que encerro um projeto eu faço uma sessão de lições aprendidas interna, para que eu possa pegar a maior lição que eu aprendi e para que possa compartilhar com você.

Essa semana me peguei fazendo esse exercício com um projeto que encerrei há pouco tempo, pensando o que compartilhar, o que efetivamente aprendi e de repente comecei a fazer uma analogia com filmes. Confesso que não sei o motivo que comecei a fazer essa analogia, mas enfim aconteceu rs…

Acabei de encerrar dois projetos bem complexos, mas um teve uma pimentinha a mais que exigiu muito mais energia de mim do que o primeiro. Foi um projeto bem complexo, difícil mesmo, mas que depois de muitas batalhas épicas, conseguimos chegar em um final feliz!

O grande problema desse projeto foi acrescentar a sua complexidade o fator Peter Pan, durante as etapas de negociação eu acho que o não era uma palavra proibida rs.

Foram muitas concessões feitas, muita negociação informal, muitas entrelinhas o que tornou o ambiente do projeto a verdadeira Terra do Nunca Jamais.

Infelizmente, o Capitão Gancho, não foi convidado para essa etapa do projeto.

É claro que no decorrer do projeto garantir a paz na Terra do Nunca Jamais virou uma Missão Impossível.

Foram inúmeras discussões, reuniões intermináveis, desgastes para todos os lados, falta de definições, muitas mudanças… se eu fosse cardíaca, certamente teria tido uma síncope.

Em projetos desse tipo, normalmente as expectativas são frustradas e as discussões acabam sendo improdutivas, muita energia desperdiçada e pouca efetividade nas decisões.

Nesse cenário a experiência, habilidade, paciência e resiliência do GP são fatores decisivos; em alguns momentos eu juro que voltei a sofrer com as tensões pré-reuniões, mas me mantive focada para evitar um cenário desastroso.

Para garantir um final feliz para esse projeto, a formalização foi fundamental. Você que me acompanha, sabe como eu sou defensora da simplicidade de processos, mas nesse projeto tive que me apegar um pouco mais às escolas tradicionais e utilizar um processo mais robusto e formal.

Além da formalização, tive muitos problemas com a comunicação entre os envolvidos, muitas vezes uma informação não era entendida por completo e era mais um conflito sendo gerado. Para sair desse caos tive que usar a estratégia de Duelo de Titãs para que o grupo começasse a trabalhar como um time.

Não coloquei todo mundo em um alojamento, embora eu tivesse vontade rs, mas fizemos inúmeras reuniões e começamos a ressignificar cada uma das objeções e monstrinhos que foram criados por uma má comunicação.

Foram dias longos, intensos, cansativos, mas no final da segunda semana de Titãs, conseguimos começar a ganhar nosso jogo.

Depois desse marco importante, começamos a trabalhar como um time, fomos superando cada um dos problemas e graças a todo o time chegamos ao tão almejado Final Feliz.

E qual foi a minha maior lição aprendida nisso tudo?

Que é muito melhor ser o Capitão Gancho no começo do projeto, onde os ânimos ainda estão mais calmos, do que você agir como Peter Pan, nunca dizer não e se comprometer muito além do que tem condições de entregar.

Ah aprendi também que o pó de Pirimpimpim da Sininho nem sempre funciona!

E se você fosse comparar seu último projeto com um Blockbuster, qual seria?

Um forte abraço e até a próxima!

#projetoTransforma #gpDePegada #meuProjetoMinhaVida #projetizando

2 Comentários

  1. Allan novembro 10, 2016 Reply
  2. Leonardo dezembro 1, 2016 Reply

Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *