As lições aprendidas de uma Black Friday de Insucesso – onde está o Gerente do Projeto?

Fala GP, tudo bem?

Como se falou de Black Friday nos últimos dias, confesso que fiquei até de “bode” de tanto que se falou… milhares de e-mails, propaganda no rádio, TV, contagem regressiva nos shoppings, um verdadeiro “oba oba”.

Mas, o que se esperava dessa data tão “importante”?

Todas as empresas esperavam dar um boom em suas vendas e quem sabe recuperar um difícil ano, correto?

Enfim, no dia 27/11 fui almoçar no shopping e fiquei observando tudo o que estava acontecendo:

  • Lojas enfeitadas;
  • Funcionários com roupas especificas para o tema;
  • Muita gente circulando;
  • E as lojas continuavam vazias;

Você deve estar pensando, mas onde ela quer chegar com esse bla bla bla todo? Em um lugar muito simples: onde está o gerente desse projeto? Afinal de contas, a “culpa” pelo resultado negativo sempre acaba sendo do GP rs, não é mesmo?

Se avaliarmos a Black Friday como um projeto, podemos dizer que ela alcançou o sucesso?

Naaaaaaaaaaaaaoooooooooooooooooo!

Como não? As lojas estavam enfeitadas, os funcionários posicionados e uniformizados, os produtos disponíveis e tudo no dia 27/11 no horário incialmente planejado. Como não alcançou o sucesso?

Apesar de a execução ter sido militar e todas as entregas estarem concluídas conforme planejado (pelo menos pareciam) como ficaram os benefícios que foram desenhados?

Um projeto executado dentro do prazo, custo, escopo e qualidade é para os fracos rs, um GP de Pegada tem que ir além, ele precisa garantir que os resultados inicialmente planejados estão sendo alcançados e executados.

Escutei de um colega que um dos maiores defeitos de um GP é não ser apaixonado pelo resultado do projeto e sim em planejar/executar o projeto com maestria, e tenho que concordar com ele.

Muitas vezes estamos muito mais preocupados com a execução do que com o resultado que será entregue. Por que será que isso acontece?

Na minha opinião são vários os motivos, tendo destaque para:

  • Muitas vezes quando o benefício começa a ser apurado, o projeto já foi encerrado e o GP já está em outra missão;
  • Outras vezes é porque realmente não nos sentimos “donos” do resultado do projeto, eu confesso que já senti isso algumas vezes.
    Acredito que isso aconteça quando o GP não está realmente convencido que os benefícios são factíveis e alcançáveis. O GP pode até achar que está dando o melhor dele, mas se não acreditar nos benefícios ele pode inconscientemente não investir sua melhor energia no projeto.

Hoje, depois de muitas lições aprendidas, eu transformei a minha visão, e além de vestir a camisa do projeto, eu virei “Benefício Futebol Clube”! Eu me sinto tão dona do resultado quanto o meu patrocinador, se não o alcançamos eu fico mais frustrada do que se meu projeto tivesse tido a pior execução de todas as galáxias.

Como passei a me sentir dona do resultado, comecei a questionar todos os benefícios, períodos de alcance e discutir oportunidades de melhoria com o patrocinador. Isso fez com que eu me aproximasse mais da estratégia dos projetos e contribuísse muito mais com toda a equipe.

Hoje eu tenho a convicção que minha missão passou a ser muito mais ampla, e com um GP de Pegada é: missão dada, missão cumprida!

Essa visão faz sentido para você? Você também é um GP Benefício Futebol Clube?
Mande para mim a sua visão, a sua lição aprendida!

 

Um forte abraço.

#projetoTransforma #meuProjetoMinhaVida #gpDePegada #msProject

Jacque(sign8)

2 Comentários

  1. Ednir Botelho dezembro 7, 2015 Reply
    • Jacqueline Torres dezembro 18, 2015 Reply

Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *